SEMANA SANTA

Segunda-feira

 

Invitatório

 ________________________________

 

Ofício das Leituras

 

introdução
ouvir:

V. Vinde, ó Deus em meu auxílio.
R.
Socorrei-me sem demora.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.
Esta introdução se omite quando o Invitatório precede imediatamente ao Ofício das Leituras.

 

Hino

Cantem meus lábios a luta
que sobre a cruz se travou;
cantem o nobre triunfo
que no madeiro alcançou
o Redentor do Universo
quando por nós se imolou.

O Criador teve pena
do primitivo casal,
que foi ferido de morte,
comendo o fruto fatal,
e marcou logo outra árvore,
para curar-nos do mal.

Tal ordem foi exigida
na obra da salvação:
cai o inimigo no laço
de sua própria invenção.
Do próprio lenho da morte
Deus fez nascer redenção.

Na plenitude dos tempos,
a hora santa chegou
e, pelo Pai enviado,
nasceu do mundo o autor;
e duma Virgem no seio
a nossa carne tomou.

Seis lustros tendo passado,
cumpriu a sua missão.
Só para ela nascido,
livre se entrega à Paixão.
Na cruz se eleva o Cordeiro,
como perfeita oblação.

Glória e poder à Trindade.
Ao Pai e ao Filho, louvor.
Honra ao Espírito Santo.
Eterna glória ao Senhor,
que nos salvou pela graça
e nos remiu pelo amor.

Salmodia

Ant. 1 Inclinai o vosso ouvido para mim,
apressai-vos, ó Senhor, em socorrer-me!

Salmo 30(31),2-17.20-25

Súplica confiante do aflito


Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito (Lc 23,46).

 

I

ouvir:

2 Senhor, eu ponho em vós minha esperança; *
que eu não fique envergonhado eternamente!
= Porque sois justo, defendei-me e libertai-me, †
3 inclinai o vosso ouvido para mim; *
apressai-vos, ó Senhor, em socorrer-me! 

– Sede uma rocha protetora para mim, *
um abrigo bem seguro que me salve!
4 Sim, sois vós a minha rocha e fortaleza; *
por vossa honra orientai-me e conduzi-me!
5 Retirai-me desta rede traiçoeira, *
porque sois o meu refúgio protetor!

6 Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito, *
porque vós me salvareis, ó Deus fiel!
7 Detestais os que adoram deuses falsos; *
quanto a mim, é ao Senhor que me confio.

=8 Vosso amor me faz saltar de alegria, †
pois olhastes para as minhas aflições *
e conhecestes as angústias de minh’alma.
9 Não me entregastes entre as mãos do inimigo, *
mas colocastes os meus pés em lugar amplo!

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *

Como era no princípio, agora e sempre. Amém.


Ant. Inclinai o vosso ouvido para mim,
apressai-vos, ó Senhor, em socorrer-me!

Ant. 2 Mostrai serena a vossa face ao vosso servo.
 

II

ouvir:

=10 Tende piedade, ó Senhor, estou sofrendo: †
os meus olhos se turvaram de tristeza, *
o meu corpo e minha alma definharam!
11 Minha vida se consome em amargura, *
e se escoam os meus anos em gemidos!

– Minhas forças se esgotam na aflição, *
e até meus ossos, pouco a pouco, se desfazem!
12 Tornei-me o opróbrio do inimigo, *
o desprezo e zombaria dos vizinhos,
– e objeto de pavor para os amigos; *
fogem de mim os que me vêem pela rua.

13 Os corações me esqueceram como um morto, *
e tornei-me como um vaso espedaçado.
14 Ao redor, todas as coisas me apavoram; *
ouço muitos cochichando contra mim;
– todos juntos se reúnem, conspirando *
e pensando como vão tirar-me a vida.

15 A vós, porém, ó meu Senhor, eu me confio, *
e afirmo que só vós sois o meu Deus!
16 Eu entrego em vossas mãos o meu destino; *
libertai-me do inimigo e do opressor!
17 Mostrai serena a vossa face ao vosso servo, *
e salvai-me pela vossa compaixão!

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *

Como era no princípio, agora e sempre. Amém.


Ant. Mostrai serena a vossa face ao vosso servo.

Ant. 3 Seja bendito o Senhor Deus
por seu amor maravilhoso!

III

ouvir:

20 Como é grande, ó Senhor, vossa bondade, *
que reservastes para aqueles que vos temem!
– Para aqueles que em vós se refugiam, *
mostrando, assim, o vosso amor perante os homens.

21 Na proteção de vossa face os defendeis *
bem longe das intrigas dos mortais.
– No interior de vossa tenda os escondeis, *
protegendo-os contra as línguas maldizentes.

22 Seja bendito o Senhor Deus, que me mostrou *
seu grande amor numa cidade protegida!
23 Eu que dizia quando estava perturbado: *
“Fui expulso da presença do Senhor!”
– Vejo agora que ouvistes minha súplica, *
quando a vós eu elevei o meu clamor.

=24 Amai o Senhor Deus, seus santos todos, †
ele guarda com carinho seus fiéis, *
mas pune os orgulhosos com rigor.
25 Fortalecei os corações, tende coragem, *
todos vós que ao Senhor vos confiais!

– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. *

Como era no princípio, agora e sempre. Amém.


Ant. Seja bendito o Senhor Deus
por seu amor maravilhoso!

V. Quando eu for elevado da terra,

R. Atrairei para mim todo ser.

 

Primeira leitura

Da Carta aos Hebreus                 10,19-39

 

Perseverança na fé. Expectativa do dia do julgamento

19Irmãos, temos plena liberdade para entrar no Santuário, pelo sangue de Jesus. 20Ele nos abriu um caminho novo e vivo, através da cortina,quer dizer, através da sua humanidade. 21Temos um grande sacerdote constituído sobre a casa de Deus. 22Aproximemo-nos, portanto, de coração sincero e cheio de fé, com coração purificado de toda a má consciência e o corpo lavado com água pura. 23Sem desânimo, continuemos a afirmar a nossa esperança, porque é fiel quem fez a promessa. 24Sejamos atentos uns aos outros, para nos incentivar à caridade e às boas obras. 25Não abandonemos as nossas assembleias, como alguns costumam fazer. Antes, procuremos animar-nos mutuamente, e tanto mais quanto vedes o dia aproximar-se.

26De fato, se preferirmos continuar pecando, depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não há sacrifícios que possam tirar os nossos pecados. 27Fica apenas a terrível expectativa do julgamento e o ardor de um fogo para devorar os rebeldes. 28Quem desobedece à Lei de Moisés, é condenado à morte, sem piedade, tendo como base o testemunho de duas ou três pessoas. 29Podeis então imaginar o castigo bem mais severo, que merecerá aquele que pisou o Filho de Deus, que profanou o sangue da Aliança, pelo qual foi santificado, e que insultou o Espírito da graça! 30Conhecemos aquele que disse: “A mim pertence a vingança, eu é que retribuirei”. E ainda: “O Senhor julgará o seu povo”. 31É terrível cair nas mãos do Deus vivo!

32Lembrai-vos dos primeiros dias, quando, apenas iluminados, suportastes longas e dolorosas lutas. 33Às vezes, éreis apresentados como espetáculo, debaixo de injúrias e tribulações; outras vezes vos tornáveis solidários dos que assim eram tratados. 34Com efeito, participastes dos sofrimentos dos prisioneiros e aceitastes com alegria o confisco dos vossos bens, na certeza de possuir uma riqueza melhor e mais durável. 35Não abandoneis, pois, a vossa coragem, que merece grande recompensa. 36De fato, precisais de perseverança para cumprir a vontade de Deus e alcançar o que ele prometeu.

37Porque ainda bem pouco tempo,

e aquele que deve vir, virá e não tardará.

38O meu justo viverá por causa de sua fidelidade,

mas, se esmorecer,

não encontrarei mais satisfação nele.

39Nós não somos desertores, para a perdição. Somos homens da fé, para a salvação da alma.

 

Responsório                 Hb 10,35a.36; Lc 21,19

 

R. Não percais a confiança na palavra do Senhor;

é preciso ter constância

* Em fazer sua vontade e alcançar suas promessas.

V. Pela vossa persistência, salvareis as vossas vidas.

* Em fazer.

 

Segunda leitura

Dos Sermões de Santo Agostinho, bispo

 

(Sermo Guelferbytanus 3:PLS 2,545-546)

(Séc.V)

 

Gloriemo-nos também nós na Cruz do Senhor!

A Paixão de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo é para nós penhor de glória e exemplo de

paciência.

 

Haverá alguma coisa que não possam esperar da graça divina os corações dos fiéis, pelos quais

o Filho unigênito de Deus, eterno como o Pai, não apenas quis nascer como homem entre os

homens, mas quis também morrer pelas mãos dos homens que tinha criado?

 

Grandes coisas o Senhor nos promete no futuro! Mas o que ele já fez por nós e agora

celebramos é ainda muito maior. Onde estávamos ou quem éramos, quando Cristo morreu por

nós pecadores? Quem pode duvidar que ele dará a vida aos seus fiéis, quando já lhes deu até a

sua morte? Por que a fraqueza humana ainda hesita em acreditar que um dia os homens viverão

em Deus?

 

Muito mais incrível é o que já aconteceu: Deus morreu pelos homens.

 

Quem é Cristo senão aquele que no princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus: e a

Palavra era Deus? (Jo 1,1). Essa Palavra de Deus se fez carne e habitou entre nós (Jo 1,14). Se

não tivesse tomado da nossa natureza a carne mortal, Cristo não teria possibilidade de morrer

por nós. Mas deste modo o imortal pôde morrer e dar sua vida aos mortais. Fez-se participante

de nossa morte para nos tornar participantes da sua vida. De fato, assim como os homens, pela

sua natureza, não tinham possibilidade alguma de alcançar a vida, também ele, pela sua

natureza, não tinha possibilidade alguma de sofrer a morte.

 

Por isso entrou, de modo admirável, em comunhão conosco: de nós assumiu a mortalidade, o

que lhe possibilitou morrer; e dele recebemos a vida.

 

Portanto, de modo algum devemos envergonhar-nos da morte de nosso Deus e Senhor; pelo

contrário, nela devemos confiar e gloriar-nos acima de tudo. Pois tomando sobre si a morte que

em nós encontrou, garantiu com total fidelidade dar-nos a vida que não podíamos obter por nós

mesmos.

 

Se ele tanto nos amou, a ponto de, sem pecado, sofrer por nós pecadores, como não dará o que

merecemos por justiça, fruto da sua justificação? Como não dará a recompensa aos justos, ele

que é fiel em suas promessas e, sem pecado, suportou o castigo dos pecadores?

 

Reconheçamos corajosamente, irmãos, e proclamemos bem alto que Cristo foi crucificado por

amor de nós; digamos não com temor, mas com alegria, não com vergonha, mas com santo

orgulho.

 

O apóstolo Paulo compreendeu bem esse mistério e o proclamou como um título de glória. Ele,

que teria muitas coisas grandiosas e divinas para recordar a respeito de Cristo, não disse que se

gloriava dessas grandezas admiráveis – por exemplo, que sendo Cristo Deus como o Pai, criou

o mundo; e, sendo homem como nós, manifestou o seu domínio sobre o mundo – mas afirmou:

Quanto a mim, que eu me glorie somente na cruz do Senhor nosso, Jesus Cristo (Gl 6,14).

 

Responsório

 

R. Adoramos, Senhor, a vossa cruz,

vossa paixão gloriosa recordamos.

* Vós que sofrestes por nós, tende piedade!

V. Suplicantes, Senhor, vos imploramos:

vinde logo ajudar os vossos servos,

que remistes pelo sangue precioso.

* Vós que sofrestes.

 

Oração

Concedei, ó Deus, ao vosso povo, que desfalece por sua fraqueza, recobrar novo alento pela Paixão do vosso Filho. Que convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo.
 
Conclusão da Hora

 

V. Bendigamos ao Senhor.

R. Graças a Deus.